O conceito de Má-Fé de Sartre [Existencialismo]

A má-fé de Jean-Paul Sartre

Em O Ser e o Nada, Sartre argumenta que a consciência é consciência de seu ser. Ele também argumenta que do que a consciência está consciente – isto é ‘ser’ – é que ela é o que não é. O que ele quer dizer com isso?

Para Sartre, a consciência humana é um ‘nada’ – é a única que não pode ser apontada como uma coisa no mundo, diferente de mesas, cadeiras, minhas mãos e pernas. A consciência é consciência de si mesma. É por esta razão que o fenômeno da má-fé mostra-se um dilema: se a consciência deve estar sempre consciente de si mesma, então como pode acontecer com as pessoas o tipo de dissonância que Sartre chama de ‘má fé’?

Quando uma pessoa mente para outra, a mentira é possibilitada pelo fato de que a consciência do mentiroso é escondida da pessoa que está sendo enganada. Mas como uma pessoa pode realizar o tipo de auto-engano necessário para estar em má-fé – para negar, em suma, que a consciência é o que não é?

Psicanálise divide a consciência em três categorias: a parte consciente e a inconsciente – id, ego e superego – trabalhando para causar pensamentos e ações. Má-fé acontece quando as coisas no inconsciente se expressam através de pensamentos e ações, permanecendo escondidas da consciência. Mas, para Sartre, isso não pode ser verdade. Isso ocorre porque o saber é saber que eu sei; a consciência é consciência de seu ser. Assim, para as pessoas caírem em má fé, elas devem estar conscientes da coisa que elas negam, assim como o desvio sexual é consciente de seus desejos. Assim sendo, a postulação dos psicanalistas sobre ego e id é falsa: a consciência existe como uma unidade, e isso é porque – para voltar a premissa de Sartre – consciência é a consciência do seu ser.

Exemplos de má-fé

Para ajudar a ilustrar o conceito de má-fé, Sartre usa o exemplo de um jovem que tem um emprego como garçom. Um garçom, ao contrário de uma mesa ou uma cadeira, não existe além do abstrato. Certamente, há um conjunto de ações que associamos com ser um garçom, mas não há nada no que é ser um garçom como o que há em ser uma cadeira (que tem quatro pernas e é construída por seres humanos para se sentarem) . ‘Um garçom’ não existe e, portanto, não pode ser; mas o jovem faz ‘ser um garçom’ como ‘ser uma cadeira’, e ao fazê-lo trata de experimentar a si mesmo como um objeto. Ao fazer isso, ele nega que a consciência é o que não é, ou seja, que não pode ser qualquer coisa. O jovem molda si mesmo como um garçom, que ele torna-se para uma espécie de objeto, e ao fazer isso pratica má fé.

O segundo exemplo que Sartre usa é o de uma mulher em um encontro, que descobre que o homem colocou a mão em sua mão em uma tentativa de tornar seus sentimentos conhecidos. Ao invés de agir, e por tanto o retirar ou manter a mão onde está, ela experimenta a si mesma como pura transcendência,  como a parte da consciência que é livre a qualquer momento para agir em qualquer número de possibilidades. Ao negar que ela existe como uma coisa no mundo – uma coisa para os outros, usando a terminologia de Sartre – ela está cometendo má fé. Ao contrário do garçom, ela não está negando que a consciência é um nada (não pode ser qualquer coisa); em vez disso ela está negando quem ela é para os outros. Naquele momento, ela experimenta-se como puro nada.

Transcendência e facticidade

Tanto o garçom quanto a mulher no encontro estão em má fé, mas eles caem em má-fé negando coisas diferentes. Sartre cunha dois novos termos para descrever os aspectos da consciência que eles negam: transcendência e facticidadeO garçom, no sentido de tornar-se um objeto, nega a sua transcendência – que ele não pode ser qualquer coisa, porque a consciência não é o que é. A mulher no encontro, por outro lado, nega sua facticidade; o que quer dizer que ela nega que ela é uma coisa para os outros: alguém que nasceu neste ou naquele tempo, em este ou naquele país, com certo conjunto de pais; e moldou-se até aquele momento pelas ações que ela desejou.

Esta divisão da consciência em dois aspectos – transcendência e facticidade – permite dar uma explicação da má-fé. Nota-se que embora separados, transcendência e facticidade devem ser unificados em uma consciência global. Quando comete má fé, não é que ela não sabe o que está fazendo (como os psicanalistas argumentam), mas que ela dirige e experimenta-se como esta ou aquela coisa (seja pura transcendência; um nada, ou facticidade – um conjunto de qualidades definidas como a de um objeto).

Pode ser afirmado que o antídoto para a má-fé é a sinceridade – basta ser você mesmo em vez de tentar ser algo ou nada. Mas há contradição nisso, também. Você não pode ‘ser você mesmo’ se não há nada para ser. Por esta razão, mesmo sinceridade – o esforço para ser quem você realmente é – resulta em má fé.

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *