Os 3 Princípios Básicos do Utilitarismo

Os axiomas da teoria moral que procuram maximizar a felicidade

O utilitarismo é uma das mais importantes e influentes teorias morais dos tempos modernos. Em muitos aspectos, é a perspectiva de  David Hume , escrevendo em meados do século 18. Mas recebeu tanto o nome como a declaração mais clara nos escritos de Jeremy Bentham (1748-1832) e John Stuart Mill (1806-1873). Ainda hoje, o ensaio Utilitarismo (Utilitarianism, 1861) de Mill é uma das exposições mais amplamente ensinadas da doutrina.

Existem três princípios que servem como axiomas básicos do utilitarismo.

1. PRAZER OU FELICIDADE É A ÚNICA COISA QUE REALMENTE TEM VALOR INTRÍNSECO

O utilitarismo obtém o seu nome do termo “utilidade“, que neste contexto não significa “útil”, mas, em vez disso, significa prazer ou felicidade. Dizer que algo tem valor intrínseco significa que é simplesmente bom em si mesmo. Um mundo em que esta coisa existe, ou é possuída, ou é experimentada, é melhor do que um mundo sem ela (todas as outras coisas sendo iguais).  O valor intrínseco contrasta com o valor instrumental. Algo tem valor instrumental quando é um meio para algum fim. Por exemplo, uma chave de fenda tem valor instrumental para o carpinteiro; não é valorizada por seu próprio bem, mas pelo que pode ser feito com ela.

Agora, John Stuart Mill admite que parecemos valorizar outras coisas além do prazer e da felicidade por sua própria causa. Por exemplo, valorizamos a saúde, a beleza e o conhecimento desta maneira.

Mas ele argumenta que  nunca  valorizamos nada a menos que o associemos de alguma forma com prazer ou felicidade. Assim, valorizamos a beleza porque é prazeroso contemplar. Nós valorizamos o conhecimento porque, geralmente, é útil para nós lidarmos com o mundo e, portanto, está ligado à felicidade. Valorizamos o amor e a amizade porque são fontes de prazer e felicidade.

silvio santos jogando dinheiro para a plateia

Prazer e felicidade, porém, são únicos em serem valorizados puramente por sua própria causa. Nenhuma outra razão para valorá-los deve ser dada. É melhor ser feliz do que triste. Isso realmente não pode ser provado. Mas todos pensam nisso.

Mill pensa que a felicidade consiste em muitos e variados prazeres. É por isso que ele administra os dois conceitos juntos. A maioria dos utilitaristas, porém, fala principalmente de felicidade, e é isso que faremos a partir deste ponto.

2. AS AÇÕES SÃO CORRETAS NA MEDIDA EM QUE PROMOVEM A FELICIDADE, ESTÃO ERRADAS NA MEDIDA EM QUE PRODUZEM INFELICIDADE

Este princípio é controverso. Faz do utilitarismo uma forma de consequencialismo, pois diz que a moralidade de uma ação é decidida por suas consequências. Quanto mais felicidade é produzida entre os afetados pela ação, melhor é a ação. Então, todas as coisas sendo iguais, dar presentes para toda uma gangue de crianças é melhor do que dar um presente a uma só. Da mesma forma, salvar duas vidas é melhor do que salvar uma vida.

Isso pode parecer bastante sensível. Mas o princípio é controverso porque muitas pessoas diriam que o que decide a moralidade de uma ação é o  motivo  por trás disso. Eles diriam, por exemplo, que se eu der R$ 3.000 para a caridade porque eu quero ficar bem com os eleitores em uma eleição, minha ação não é tão merecedora de louvor como se eu desse R$ 150 à caridade motivado pela compaixão ou pelo senso de dever.

3. A FELICIDADE DE TODOS CONTA IGUALMENTE

Isso pode significar um princípio moral bastante óbvio. Mas quando foi apresentado por Bentham (na forma, “todos contam um, ninguém mais de um”) era bastante radical. Há duzentos anos, era uma visão comum de que algumas vidas e a felicidade que continham eram simplesmente mais importantes e valiosas do que outras. Por exemplo, a vida dos mestres era mais importante do que a dos escravos; o bem-estar de um rei era mais importante do que o de um camponês.

Então, no tempo de Bentham, esse princípio de igualdade foi decididamente progressivo. Ele estava atrás do pedido do governo para aprovar políticas que beneficiariam todos igualmente e não apenas a elite governante. É também a razão pela qual o utilitarismo está muito distante de qualquer tipo de egoísmo. A doutrina não diz que você deve se esforçar para maximizar sua própria felicidade.

Em vez disso, sua felicidade é apenas a de uma pessoa e não traz peso especial.

Utilitários como Peter Singer tomam essa ideia de tratar todos igualmente muito a sério. Singer argumenta que temos a mesma obrigação de ajudar os estranhos necessitados em lugares distantes, como devemos ajudar os mais próximos de nós. Os críticos pensam que isso torna o utilitarismo pouco realista e muito exigente. Mas, no texto Utilitarismo, John Stuart Mill tenta responder a esta crítica ao argumentar que a felicidade geral é melhor servida por cada pessoa focada principalmente em si e nos que a rodeiam.

O compromisso de Bentham com a igualdade era radical de outra forma, também. A maioria dos filósofos morais antes dele tinha sustentado que os seres humanos não têm obrigações especiais para os animais, uma vez que os animais não podem raciocinar ou falar, e eles não têm livre arbítrio. Mas, na opinião de Bentham, isso é irrelevante. O que importa é se um animal é capaz de sentir prazer ou dor. Ele não diz que devemos tratar os animais como se fossem humanos. Mas ele pensa que o mundo será um lugar melhor se houver mais prazer e menos sofrimento entre os animais e entre nós. Portanto, devemos pelo menos evitar causar sofrimento desnecessário nos animais.

 

Leia mais Filosofia: