As “Provas da Existência de Deus” de Descartes

De “Meditações sobre a Filosofia Primeira”

por Andrea Borghini

As ‘provas da existência de Deus’ de René Descartes (1596-1650) são uma série de argumentos que ele postula em seu tratado (observação filosófica formal) de 1641, ‘Meditações sobre a Filosofia Primeira’, primeiro aparecendo em “Meditação III de Deus:. Que Ele existe.” e discutida com mais profundidade na “Meditação V: Da essência das coisas materiais, e, novamente, de Deus, que Ele existe.” Descartes é conhecido por estes argumentos originais que esperam provar a existência de Deus, mas filósofos posteriores, muitas vezes criticavam suas provas como sendo demasiado estreitas e com base em “uma premissa muito suspeita” ( Hobbes) que uma imagem de Deus existe dentro da humanidade.

Em qualquer caso, compreender “as provas de existência de Deus” é essencial para compreender o trabalho posterior de Descartes, ‘Princípios da Filosofia’ (1644) e sua ‘Teoria das Ideias’.

A estrutura das Meditações sobre Filosofia Primeira – o subtítulo traduzido diz  “em que a existência de Deus e a imortalidade da alma são demonstradas” – é bastante simples. Ela começa com uma carta de dedicação à “Sagrada Faculdade de Teologia em Paris”, onde ele apresentou originalmente em 1641, um prefácio para o leitor, e, finalmente, uma sinopse das seis meditações que se seguiriam. O resto do tratado é feito para ser lido como se cada Meditação tivesse lugar um dia depois da anterior.

DEDICAÇÃO E PREFÁCIO

Na dedicatória, Descartes implora pela Universidade de Paris para proteger e manter seu tratado e postular o método que espera atribuir a afirmar a alegação da existência de Deus filosoficamente ao invés de teologicamente.

A fim de fazer isso, Descartes postula ele deve fazer um argumento que evita acusações dos críticos de que a prova se baseia no raciocínio circular. Ao provar a existência de Deus a partir de um nível filosófico, ele seria capaz de apelar para os não-crentes também. A outra metade do método se baseia em sua capacidade de demonstrar que o homem é suficiente para descobrir a Deus por conta própria, o que é indicado na Bíblia e outras escrituras religiosas também.

FUNDAMENTOS DO ARGUMENTO

Na preparação da afirmação principal, Descartes discerne que os pensamentos podem ser divididos em três tipos de operações de pensamento: a vontade, paixões e julgamento. Sobre os dois primeiros não pode ser dito serem verdadeiros ou falsos, uma vez que não pretendem representar a forma como as coisas são. Apenas entre juízos, então, podemos encontrar esses tipos de pensamentos que representam algo existente tão fora de nós.

Em seguida, Descartes analisa seus pensamentos novamente para descobrir que são componentes do julgamento, estreitando suas ideias em três tipos: inata, acidental (vinda do exterior) e ficção (produzida internamente). Agora, ideias adventícias poderiam ter sido criadas pelo próprio Descartes. Apesar de não depender de sua vontade, ele pode ter uma faculdade de produzi-las, como a faculdade que produz sonhos. Ou seja, daquelas ideias que são acidentais, podem ser produzidas por nós, mesmo se nós não fazemos isso voluntariamente, como acontece quando estamos sonhando. Ideias fictícias, também, poderiam ter sido claramente criadas pelo próprio Descartes. Destas, estamos mesmo cientes de ter vindo com elas. Ideias inatas, porém, levantam a questão: de onde elas se originaram?

Para Descartes, todas as ideias tem uma realidade formal e objetiva e consistem em três princípios metafísicos.

O primeiro, nada vem do nada, sustenta que, a fim de algo existir, outra coisa deve ter criado-lo. A segunda prende muito o mesmo conceito em torno do formal versus realidade objetiva, afirmando que mais não pode vir de menos. No entanto, o terceiro princípio afirma que a realidade mais objetiva não pode vir de realidade menos formal, limitando a objetividade do eu de afetar a realidade formal dos outros.

Finalmente, ele postula que existe uma hierarquia de seres que podem ser divididos em quatro categorias: os corpos materiais, humanos, anjos e Deus. O único ser perfeito, nesta hierarquia, é Deus com os anjos sendo de “espírito puro” ainda imperfeitos, sendo seres humanos “uma mistura de corpos materiais e espírito, que são imperfeitos”, e os corpos materiais, que são chamados simplesmente imperfeitos.

A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS

Com essas teses preliminares na mão, Descartes mergulha em examinar a possibilidade filosófica da existência de Deus na sua terceira meditação.

Ele quebra esta prova em duas categorias, chamadas de provas, cuja lógica é relativamente fácil de seguir.

Na primeira prova, Descartes argumenta que, por evidência, ele é um ser imperfeito que tem uma realidade objetiva incluindo a noção de que existe perfeição e, portanto, tem uma ideia distinta de um ser perfeito (Deus, por exemplo). Além disso, Descartes percebe que ele é menos formalmente real do que a realidade objetiva da perfeição e, portanto, tem que haver um ser perfeito existentindo formalmente de quem sua ideia inata de um ser perfeito deriva. Ele poderia ter criado as ideias de todas as substâncias, mas não a de Deus.

A segunda prova passa a questionar quem é então que o mantém – tendo uma ideia de um ser perfeito – na existência, eliminando a possibilidade de que ele mesmo seria capaz de fazer isso. Ele prova isso dizendo que ele deve isso a si mesmo, se ele fosse seu próprio criador, teria dado a si mesmo todos os tipos de perfeições. O próprio fato de que ele não é perfeito significa que ele não suportaria sua própria existência. Da mesma forma, seus pais, que também são seres imperfeitos, não poderiam ser a causa de sua existência, uma vez que não poderiam ter criado a ideia de perfeição dentro dele. Isso deixa apenas um ser perfeito, Deus, que teria de existir para criar e estar constantemente recriando-a.

Essencialmente, as provas de Descartes contam com a crença de que por existentir, e nascer um ser imperfeito (mas com uma alma ou espírito), deve, portanto, aceitar que algo da realidade mais formal do que nós deve ter nos criado.

Basicamente, porque existimos e somos capazes de pensar ideias, algo deve ter nos criado (como nada pode nascer do nada).


Via ThoughCo

2 comentários

  1. Ligia Soares Skrebsky Responder

    Apenas uma opinião: não me acho a altura de fazer um comentário do artigo. Muito bem pesquisado. Mas quem fala na existência de Deus, é Jesus Cristo. Ninguém o cita ou o aborda. No Evangelho de João, a existência de Deus é elucidativa. Em Mateus 4, no diálogo entre Jesus e Satanás, Jesus é muito claro: “Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.” Ora, Deus não é uma figura humana, representado por um ancião. Para a criança é o papai do céu. Estou mais para a definição de Einstein: “Matéria e energia são intercambiáveis.” A mim me parece, que filósofos pretendem provar a existência de Deus, através da matéria. Provar a figura de Deus sobre forma humana. (os cientistas tentam mas não conseguiram.) O mundo aposta nas aparências, por isso são hipócritas. Sócrates foi condenado a beber cicuta, porque provava aos materialistas, que a alma existe. Os oponentes, não podiam entender isso. Ainda, segundo vejo no face, há um número imenso que para eles, Deus não existe, talvez, o maior temor, seria terminar com suas falcatruas, sacanagens e depravações, e ganhos mesmo que ilícitos. Já que Deus é considerado puro.( mencionado no seu artigo) O mundo é o que é, uma completude de mazelas, as mais sórdidas e cruéis. Mas a matéria de entendimentos, ganha, ou pensa ganhar e tirar vantagem com isso. Continuam a crucificar o Cristo.

    • Fabiano Araújo Responder

      Ola. Sou cristão e admiro Descarte. Acho que você não compreendeu a filosofia. O resumo da obra dele é que Deus existe e é real porque nada pode ser criado do nada. Assim sendo, existe um criador. Não entendi os seus questionamentos??? Citou uns versos para tentar provar o que??? Acredito que você não tenha entendido a ética do texto. Deus existe para descartes porque somos criaturas criados para alcançar a perfeição, só Deus é perfeito. Só há viva se a VIDA existir antes de tudo, nesse caso Deus. A forma de como Deus trabalho é através da energia. Deus não é tudo, mas está em tudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *