Niilismo: Origens, Filósofos, Livros, Nietzsche, Ateísmo e Violência

por Austin Cline

O termo niilismo vem da palavra latina ‘nihil’ que literalmente significa “nada”. Muitos acreditam que foi originalmente cunhado pelo romancista russo Ivan Turgenev em seu romance Pais e Filhos (1862), mas provavelmente apareceu várias décadas antes. No entanto, o uso da palavra por Turgenev  para descrever os pontos de vista que ele atribuiu a jovens críticos intelectuais da sociedade feudal em geral e no regime czarista, em particular, deu a palavra sua popularidade generalizada.

ORIGENS DO NIILISMO

Os princípios básicos subjacentes ao niilismo existiram muito antes de um termo que tentava descrevê-los como um todo coerente. A maioria dos princípios básicos podem ser encontradas no desenvolvimento do antigo ceticismo entre os antigos gregos. Talvez o niilista original fosse Gorgias (483-378 AEC), que é famoso por ter dito: “Nada existe. Se alguma coisa existisse, não poderia ser conhecida. Se fosse conhecida, o conhecimento disso seria incomunicável”.

FILÓSOFOS IMPORTANTES DO NIILISMO

Dmitri Pisarev
Nikolai Dobrolyubov
Nikolai Chernyshevski
Friedrich Nietzsche

O NIILISMO É UMA FILOSOFIA VIOLENTA?

O niilismo foi injustamente considerado como uma filosofia violenta e até terrorista, mas é verdade que o niilismo tem sido usado em apoio à violência e muitos niilistas primitivos foram revolucionários violentos. Os niilistas russos, por exemplo, rejeitaram que as normas políticas, éticas e religiosas tradicionais tinham alguma validade ou força vinculativa nelas.

Eles eram muito poucos em número para representar uma ameaça à estabilidade da sociedade, mas sua violência era uma ameaça para a vida dos que estavam no poder.

OS NIILISTAS SÃO ATEUS?

O ateísmo tem sido estreitamente associado ao niilismo, tanto para o bem quanto para o mal, mas, geralmente, por razões ruins nas escritas de críticas de ambos.

É alegado que o ateísmo conduz necessariamente ao niilismo porque o ateísmo necessariamente resulta em materialismo, cientificismo, relativismo ético e uma sensação de desespero que deve levar a sentimentos de suicídio. Todas essas tendem a ser características básicas das filosofias niilistas.

PARA ONDE O NIILISMO LEVA?

Muitas das respostas mais comuns às premissas básicas do niilismo são desesperadas: desespero pela perda de Deus, desespero pela perda de valores objetivos e absolutos e / ou desespero sobre a condição pós-moderna de alienação e desumanização. Isso, no entanto, não esgota todas as respostas possíveis – assim como com o niilismo russo precoce, há aqueles que abraçam essa perspectiva e confiam nela como um meio para um maior desenvolvimento.

NIETZSCHE ERA UM NIILISTA?

Há um equívoco comum de que o filósofo alemão Friedrich Nietzsche era um niilista. Você pode encontrar essa afirmação na literatura popular e acadêmica, ainda que tão generalizada quanto seja, não é um retrato preciso de seu trabalho. Nietzsche escreveu muito sobre o niilismo, é verdade, mas foi porque ele estava preocupado com os efeitos do niilismo sobre a sociedade e a cultura, não porque ele defendeu o niilismo.

LIVROS IMPORTANTES SOBRE O NIILISMO

Pais e Filhos, por Ivan Turgenev
Irmãos Karamazov, de Dostoiévski [comprar]
O Homem sem qualidades, de Robert Musil [comprar]
O Processo, de Franz Kafka [comprar]
O Ser e o Nada, de Jean-Paul Sartre [comprar]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *